Foto: Ivan Erick Menezes

Por Bruno Astuto

É com imensa honra que trazemos, no ensaio de capa desta edição, a maior apresentadora da TV brasileira. Não por acaso, Ana Maria Braga é uma unanimidade, amada por todos os brasileiros e brasileiras. Seu exemplo de coragem, resiliência e fé, sua paixão pela vida e o profundo conhecimento do nosso povo a colocam num lugar mais que especial no coração das dezenas de milhões de pessoas que assistem a seus programas e acessam suas redes diariamente.

Num país em que o número de mulheres que chefiam famílias dobrou nos últimos 15 anos – são quase 40% dos lares -, Ana Maria é inspiração e espelho para essas guerreiras. Seu “Acorda, menina!” é mesmo um mantra matinal. Exemplo: a telespectadora que, a partir de uma receita de bala de coco dada no programa, criou um império de centenas de lojas de doces; assim que se firmou no negócio, ela contratou Ana Maria como garota-propaganda.

Quando enfrentou publicamente o câncer, em 2001, e apresentou seus programas careca, ela inspirou suas “meninas”, como chama as telespectadoras, a invadir os consultórios e hospitais para exames preventivos, ganhando diversos prêmios, inclusive internacionais. A honestidade com que divide seus amores, dores, sonhos, lutas e vitórias faz desaparecer o plasma do aparelho e estabelecer uma ligação mágica e, ao mesmo tempo, tão real com o público.

Depois de mais de dois anos de pandemia, em que experimentamos o absurdo inacreditável, quisemos trazer uma fênix para nos motivar, nos falar de sobrevivência e nos colocar de pé novamente. Pois Ana Maria, brasa que se faz luz, é a rainha das fênices.

O desafio era trazer, de um jeito inédito, uma mulher tão camaleônica (que já apareceu de Madonna, unicórnio e onça na TV) e igualmente tão única. “Namaria” nunca decepciona: mergulhou com tudo na proposta fashion da equipe, posando durante sete horas (!) com looks baseados numa das maxitendências da temporada: o fetiche. Do alto de seus 73 anos bem vividíssimos, ela dá, mais uma vez, uma aula magna sobre como a mulher pode ser o que ela quiser – e quando quiser. Tudo devidamente registrado na entrevista a uma das mais respeitadas jornalistas de cultura do país, Heloisa Tolipan.

Este é o espírito dos profissionais criativos por trás das marcas dos nossos shoppings: trazer a moda como ferramenta de expressão da personalidade. E quantas personalidades! Só por agora estão chegando várias grifes inéditas no Brasil, como Brioni, Elie Saab (imperdível a entrevista com o mestre!), Giambattista Valli; novos restaurantes deliciosos; e mais de cem marcas adicionadas às 700 do portfólio do nosso e-commerce, o CJ Fashion, o primeiro de um shopping no país.

Tenho certeza de que você vai adorar as dicas do nosso time editorial de experts. Vem muita coisa boa por aí.

Clique aqui para baixar a edição