Foto: Reprodução/Instagram/@sauer

Foi em 1939 que o francês Jules Roger Sauer, aos 18 anos, decidiu reinventar sua história no Brasil. Aportou em Minas Gerais e se apaixonou pelo mundo colorido e enigmático das pedras preciosas. Em 1941, a Lapidação Amsterdam Limitada foi fundada e mudou o cenário da alta joalheria brasileira.

“Nossas coleções são eternas e atemporais. Para o CJFashion eu mesma fiz a curadoria de peças que foram best-sellers de seis coleções, todas clássicas”, conta Stephanie Wenk, atual designer da marca que agora é conhecida apenas como Sauer, que acaba de entrar para o nosso portfólio.

As joias da Sauer são inspiradas em três pilares: arte, espiritualidade e natureza. “Nosso foco são as pedras brasileiras, principalmente a esmeralda nacional, além de topázio azul, citrino, ametista, opada rosa e lápis-lazúli, entre outras”, resume Stephanie.

Esse lado espiritual sempre este presente no DNA da grife. “Jules era um homem muito ligado à energia das pedras, ele andava com elas no bolso! Praticava ioga e acreditava que as pessoas veneravam pedras por glorificar o eterno”, diz.

Sobre a mulher Sauer, a designer afirma que ela é plural: “Ela quer ser maximalista um dia, minimalista no outro, gosta de arte, cinema de sair. Ela tem mais liberdade de passear por vários universos”.

Veja abaixo uma seleção de joias que você encontra em nosso market place: